Arena Renda Fixa, Títulos Públicos

Inflação dos pobres, INPC sobe 0,17% em julho e acumula 2,08% em 12 meses; alimentos caem

alimentos_comida_inflacao2

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a variação do custo de vida para famílias que ganham até cinco salários mínimos, apresentou alta de 0,17% em julho depois de cair 0,30% em junho. No acumulado dos últimos 12 meses, a variação desacelerou para 2,08%, ficando abaixo dos 2,56% registrados nos 12 meses encerrados em junho. Em julho de 2016, o INPC registrou alta de 0,64%. As informações são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou hoje também o IPCA, que mede o custo de vida para famílias até 40 salários mínimos e subiu 0,24% no mês e 2,71% em 12 meses.

A baixa variação do INPC é positiva pois indica que a renda da população mais pobre não está sendo pressionada e até pode haver ganho de poder aquisitivo, o que pode ajudar na redução de dívidas e aumento de consumo no futuro, auxiliando na retomada da economia. O fator negativo é que parte dessa queda dos preços reflete ainda a atividade econômica fraca e o desemprego.

Os produtos alimentícios tiveram queda de 0,45% em julho. Em junho, o resultado havia sido de -0,52%. O agrupamento dos não alimentícios ficou com variação de 0,45%, acima da taxa de -0,20% de junho, segundo o IBGE.

Quanto aos índices regionais, as variações ficaram entre -0,30% registrado em Campo Grande e 0,42% na região metropolitana de Curitiba. Em Campo Grande, as carnes registraram redução de 2,15%. Na região metropolitana de Curitiba, o aumento foi impulsionado pelas contas de energia elétrica que ficaram 9,71% mais caras em razão do reajuste de 7,09%, em vigor a partir de 24 de junho.

Região Peso Regional (%) Variação mensal (%) Variação Acumulada (%)
Junho Julho Ano 12 meses
Curitiba 7,29 -0,20 0,42 1,92 2,06
Salvador 10,67 0,09 0,36 1,86 2,63
Recife 7,17 -0,26 0,32 2,48 4,19
São Paulo 24,24 -0,42 0,31 1,16 1,82
Goiânia 4,15 -0,12 0,25 0,39 0,63
Belo Horizonte 10,60 -0,64 0,19 0,56 0,98
Fortaleza 6,61 -0,35 0,11 1,58 3,86
Brasília 1,88 -0,21 0,08 1,95 3,61
Belém 7,03 -0,08 -0,03 0,84 1,69
Vitória 1,83 -0,33 -0,06 1,28 2,15
Porto Alegre 7,38 -0,41 -0,13 0,77 1,42
Rio de Janeiro 9,51 -0,27 -0,16 1,60 1,94
Campo Grande 1,64 -0,47 -0,30 0,11 1,95
Brasil 100,00 -0,30 0,17 1,30 2,08
Artigo AnteriorPróximo Artigo