Acaba amanhã prazo para aplicar em previdência para reduzir o IR; independentes são opção

Termina no dia 30, quarta-feira da semana que vem, o prazo para quem é assalariado e faz a declaração completa de IR aplicar em previdência para reduzir o imposto ou aumentar a restituição. A lei permite abater as aplicações feitas este ano em fundos PGBL até o limite de 12% da renda bruta tributável. Mas, além do IR menor, o investidor deve aproveitar para fazer uma aplicação, escolhendo um bom gestor para seus recursos e com taxas de administração e carregamento mais baixas.

Fundos de previdência poderão aplicar no exterior e ter até 100% em ações; confira as mudanças

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou na semana passada a resolução 4.444, que dá mais liberdade para os fundos de previdência privada aplicarem seus recursos e aumentarem sua diversificação. A resolução atualiza o universo dos ativos nos quais os fundos de previdência, abertos e fechados, as seguradoras e resseguradoras podem aplicar, incluindo, por exemplo, os Certificados de Operações Estruturadas (COE) e os Exchance Traded Fund (ETF), fundos que acompanham índices de ações ou de preços de mercadorias e que têm cotas negociadas em bolsas. Entre as mudanças está também a possibilidade de os fundos de previdência privada abertos, os PGBL e VGBL, aplicarem até 10% no exterior.

PGBL pode engordar restituição do IR, mas dinheiro deve ser reinvestido, diz consultor

O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) é um plano de previdência que, além de ajudar a encorpar o pé de meia para a aposentadoria, permite ainda ao poupador assalariado que declara imposto pelo formulário completo engordar a restituição do Imposto de Renda ou reduzir o valor a pagar. Mas, segundo o consultor financeiro Mauro Calil, a estratégia não deve parar por aí. “É melhor reinvestir a restituição no plano também, senão, perde todo o sentido”, afirma.

Receba nossas novidades no seu e-mail.
Enviar