Arena Previdência, Planejamento Financeiro

CCR lucra 357,9% a mais, Sabesp ganha menos, Marfrig reduz prejuízo, BRMalls tem perda

ccr_autoban_rodovia_estrada_serviços

JBS divulga resultado sem auditoria

A JBS teve queda de 80% no lucro do segundo trimestre. O balanço veio sem revisão de auditores independentes, que aguardam a conclusão dos resultados da apuração de fatos ligados ao acordo de leniência firmado pela sua controlada J&F com o MPF.

Lucro da CCR salta 357,9% com ganhos fora de rodovias

O lucro da concessionaria de rodovias CCR disparou no segundo trimestre, mesmo com queda do tráfego. A empresa teve um salto de 357,9% no lucro líquido do segundo trimestre, para R$ 667,1 milhões, em relação ao mesmo período do ano passado. Os ativos como aeroportos e metrôs têm aumentado substancialmente sua participação no resultado da companhia, o que tem sido positivo em tempos de tráfego ainda cadente nas rodovias, avalia a Coinvalores. Destaque para a maturação do metrô de Salvador e para o bom avanço em Confins. Há um ano, esse e outros projetos de mobilidade urbana e aeroportos respondiam por 14,4% e chegaram a 20,5% da receita nesse segundo trimestre. A corretora lembra que sses projetos tem uma margem Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização comparado com a receita) mais apertada, o que acaba impactando na margem consolidada. Nas rodovias, houve queda de 0,8% no tráfego, com a MSVia como destaque negativo, com retração de 20%, muito impactada pela redução no número de veículos pesados. Essa queda de 0,8% foi compensada pela tarifa média 7,7% maior.

Sabesp tem lucro 58,4% menor

A Sabesp lucrou R$ 331,8 milhões no segundo trimestre, com queda de 58,4% sobre o mesmo período do ano passado. O número ficou abaixo do esperado pelo mercado, que projetava ganho de R$ 450 milhões, por conta de maiores despesas financeiras. A receita operacional líquida da Sabesp entre abril e junho ficou em R$ 3,494 bilhões, alta de 1,6% na comparação anual. Para o UBS, o destaque foi o Ebitda recorrente, R$ 1,18 bilhão 15% superior ao do ano passado e acima das expectativas. A grande preocupação dos analistas, porém, é com o cálculo do reajuste de tarifas, pelo órgão regulador, a Arsesp, que em 11 de agosto teria calculado uma tarifa média baixa para a Sabesp e pode promover algum ajuste nos próximos meses. O banco suíço tem recomendação de compra para o papel, com preço justo de R$ 40,50.

Marfrig reduz prejuízo

A Marfrig reduziu em 21,8% o prejuízo no segundo trimestre para R$ 156,9 milhões. O prejuízo veio com um “ambiente desafiador” para o segmento de carne bovina da companhia e por valorização do real contra o dólar, que reduz o valor das exportações da companhia. A receita líquida da companhia caiu 8%, para R$ 4,313 bilhões. O Ebitda ajustado caiu 8%, para R$ 391 milhões, mantendo porém a margem (Ebitda em relação à receita). “O sólido resultado de Keystone, que mais uma vez estabeleceu um novo recorde e respondeu por 57% do Ebitda consolidado da companhia, foi parcialmente compensado pelo resultado da divisão Beef, que foi ainda impactado por fatores atípicos que afetaram o desempenho do setor de bovinos no Brasil”, informou a empresa em comunicado.

BRMalls tem prejuízo de R$ 217 milhões

A operadora de shopping centers BRMalls teve prejuízo de R$ 217 milhões no segundo trimestre. A operadora de shoppings reverteu o resultado positivo de cerca de R$ 153 milhões obtido no mesmo período do ano passado.

Fonte: Corretoras e agências de notícias

Artigo AnteriorPróximo Artigo