Arena Especial, Indicadores

País criou 60 mil empregos em abril, primeiro resultado positivo desde 2014

carteira_de_trabalho_emprego_desemprego2

O país criou 59.856 mil vagas de emprego formal durante o mês de abril. O resultado representa uma variação positiva de 0,16% em relação a março deste ano, conforme apontam os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados hoje (16) pelo Ministério do Trabalho. É o primeiro resultado positivo para um mês de abril desde 2014 e um importante indicador de retomada da atividade econômica brasileira depois de quase dois anos de recessão.

O resultado veio acima da mediana das projeções de mercado, que iam de -42 mil a +60 mil vagas segundo levantamento da Agência Estado. Na série com ajuste sazonal, o saldo passou de -67,0 mil em março para -26,5 mil em abril, segundo a MCM Consultores. O melhor resultado foi fruto de crescimento das admissões (3,4% no mês) aliado a recuo dos desligamentos (-0,3%).

40457314-3663-1228-1427-305827034285.png

Fonte: MCM

No último mês, foram contabilizadas 1.141.850 admissões e 1.081.994 desligamentos. Já em março deste ano, foram registradas 1.261.332 admissões e 1.324.956 desligamentos, ou seja, 63.624 vagas foram perdidas.

Em abril do ano passado, o mercado de trabalho formal tinha registrado a perda de 62.844 postos de trabalho.

“Estamos tendo a alegria de celebrar números positivos. Esperamos que estes números positivos se estabeleçam”, comemorou o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Serviços volta a contratar

O setor de serviços foi o que registrou melhor resultado em abril deste ano, com um saldo de 24.712 contratações, seguido pela agropecuária (14.648); indústria de transformação (13.689) e comércio (5.327). É a primeira vez que o setor de comércio tem saldo positivo desde março de 2015, destaca a MCM.

Embora tenha apresentado saldo negativo (-1.760 postos de trabalho), a construção civil teve um desempenho melhor que o de abril do ano passado (-16.036 vagas). O saldo da indústria foi menos negativo: passando de -11,9 mil em março para -5,3 mil em abril. Por fim, a indústria extrativa mineral fechou 415 vagas de trabalho (-288 em março).

40457314-3663-1228-1427-305827034285.png

Fonte: MCM

Salário de contratação sobe

O salário médio real de admissão teve elevação expressiva em abril, de 4,4% sobre o mesmo mês do ano anterior, após crescimento de 3,6% em março e de 3,0% em fevereiro. Por trás desse crescimento, está tanto a aceleração do salário nominal (de 8,3% para 8,6% em 12 meses) como a desaceleração da inflação acumulada, diz a MCM. Assim como nos meses anteriores, as maiores contribuições vieram dos setores de serviços e comércio. Na mês, houve elevação de 0,6% em relação a março. Já o salário real de demissão cresceu 3,7% em relação ao mesmo mês de 2016 (ante 2,9% em março), e 0,4% no mês.

Para a MCM, os dados do Caged referentes a abril mostraram um quadro de menor deterioração do mercado de trabalho ao apresentar não apenas um saldo maior como elevação das admissões. Ainda assim, vale lembrar que o patamar de admissões e demissões ainda está baixo, o que sinaliza baixa rotatividade. “De fato, esperamos recuperação do mercado de trabalho neste ano a passo mais lento, com saldo positivo do Caged apenas no início de 2018″, diz a MCM.

As informações são da Agência Brasil.

Artigo AnteriorPróximo Artigo
Receba nossas novidades no seu e-mail.
Enviar