Arena Especial, Imóveis

Aluguéis sobem 0,15% em março e acumulam alta de 0,47% no ano, diz Fipezap

imoveis_casas_imobiliário_predio_casa_residência

O Índice FipeZap de Locação, que acompanha o preço de aluguel de imóveis em 15 cidades brasileiras, mostrou que o o preço médio de locação residencial no Brasil registrou um aumento nominal de 0,15% entre fevereiro e março de 2017. Trata-se da terceira alta consecutiva nos preços de aluguel no ano, período em que o índice acumula alta de 0,47%. No mesmo período, a inflação foi de de 0,96%, de acordo com o IPCA do IBGE, o que indica que o mercado segue favorável para quem quer alugar ou para quem quer renegociar o reajuste anual do aluguel antigo.

Individualmente, 7 cidades reforçaram esse movimento de alta dos aluguéis ao longo do último mês: Fortaleza (+0,94%), Recife (+0,71%), Belo Horizonte (+0,54%), São Bernardo do Campo (+0,36%), São Paulo (+0,31%), Campinas (+0,23%) e Distrito Federal (+0,13%).

Apesar desse avanço, na comparação de 12 meses, o Índice FipeZap de Locação ainda recua 2,50%. Considerando-se a inflação medida pelo IPCA/IBGE para os últimos 12 meses (+4,57%), observa-se uma queda real de 6,76% nos preços de locação.

Das 15 cidades monitoradas, apenas Recife (+1,65%) e Santos (+0,81%) apresentaram variação positiva nos preços em 12 meses, ainda que a alta seja inferior à inflação do período.

Comparando-se o preço médio de locação com o preço médio de venda dos imóveis, é possível obter uma medida da rentabilidade para o investidor que opta por alugar seu imóvel. Trata-se de um indicador relevante para se avaliar a atratividade do mercado imobiliário em relação a outras opções de investimento. Com base nos dados de março de 2017, o retorno médio anualizado do aluguel foi de 4,3% ao ano.

Vale lembrar que os preços considerados para o cálculo do índice se referem a anúncios para novos aluguéis. Em outras palavras, o Índice FipeZap de Locação não incorpora em seu cálculo a correção dos aluguéis em contratos vigentes, cujos valores são usualmente reajustados periodicamente pelo IGP-M da Fundação Getulio Vargas (FGV) ou índices similares, de acordo com o especificado em contrato.

Artigo AnteriorPróximo Artigo
Receba nossas novidades no seu e-mail.
Enviar